EFICÁCIA DA ACUPUNTURA NA DOR LOMBAR - RELATO DE CASO


28.04.2011

EFICÁCIA DA ACUPUNTURA NA DOR LOMBAR - RELATO DE CASO
Cristiane B. Fontoura (1), Marcos L. Neves (2)
Instituto de Ensino e Qualidade de Vida
– Porto Alegre – RS – Brasil
Curso de Formação de Especialista em Acupuntura


 
Resumo.  O presente estudo de caso tem como finalidade avaliar o efeito da acupuntura na dor lombar, através da Escala Visual Numérica. Foi analisado um paciente com lombalgia, submetido a dez sessões de acupuntura, levando em consideração os critérios neurofisiológicos e tradicionais da medicina chinesa, em relação a ação e a escolha dos pontos para o tratamento. Após as dez sessões foi evidenciada uma melhora significativa da dor lombar, assim como retorno da marcha normal.

1. Introdução
 A lombalgia é uma das queixas dolorosas mais freqüentes na prática clínica e constitui uma das maiores causas de afastamento do trabalho (LORENZETTI et al, 2006). Lombalgia é a denominação que se dá a todas as categorias de dor, com ou sem rigidez, que se localizam na região inferior do dorso entre o último arco costal e a prega glútea. Conforme BRAZIL (2001), a dor lombar representa 30% das queixas reumáticas e a degeneração discal, especialmente nos dois últimos discos (L4 – L5 e L5 – S1), é a causa mais freqüente da lombalgia.
 Geralmente a dor lombar decorre de um conjunto de causas que envolvem fatores sócio-demográficos (idade, sexo, estado civil, escolaridade, renda mensal), comportamentais (sedentarismo, ta¬bagismo), atividades ocupacionais que vão desde as que envolvem exposição a estímulos vibratórios prolongados, trabalhos braçais pesados, ausência de condições ergonômicas adequadas, padrão postural vicioso, movimentos repetitivos e até a insatisfação no trabalho (LORENZETTI et al, 2006).
 Embora a dor lombar seja benigna e auto-limitante, uma grande variedade de intervenções terapêuticas estão disponíveis para tratá-la. Porém, a grande maioria destes tratamentos não demonstra total efetividade e com isto o tratamento da dor lombar varia muito (PAIVA et al,2006).
 A ciência ocidental possui uma visão diferenciada em relação à visão oriental, na qual a dor lombar se difere de suas origens, e esta tem por conseqüência dor debilitante, contratura muscular, imobilidade, comprometimento das atividades da vida diária (SILVA et al,2004).
  A acupuntura é uma das formas mais antigas de tratamento de dor e tem sua origem na medicina chinesa. A Medicina Tradicional Chinesa (MTC) baseia-se em dois aspectos específicos que se complementam e que mantém entre si um equilíbrio dinâmico chamado Yang e Yin (YAMAMURA, 2001). Segundo YAMAMURA (2001), Yang representa tudo que se caracteriza por atividade, como calor, movimento, claridade, força, expansão, explosão, polaridade positiva, posição “alto”, sol e homem. Já o Yin caracteriza-se por ser o oposto do Yang, isto é, frio, repouso, escuridão, retração, implosão, polaridade negativa, posição “baixa”, terra e a mulher. Então, comparando a filosofia chinesa à medicina pode-se dizer que a filosofia do corpo humano também obedece a um equilíbrio dinâmico. Com isto, a doença tem origem quando se instala um desequilíbrio entre Yang e Yin.
 Segundo SILVA et al(2005), a acupuntura controla o fluxo de energia através de canais que estabelecem o equilíbrio (Ying e Yang) do corpo, em que a doença é um reflexo da perda da harmonia destes. Buscou-se através da acupuntura uma alternativa para o tratamento da dor lombar.
 Para a Medicina Tradicional Chinesa a região lombar assim como toda a coluna vertebral, depende do Shen Qi (Rins). (YAMAMURA, 2001)
 No Ocidente, a acupuntura é essencialmente um tratamento para doenças benignas, doenças crônicas e desordens músculo-esquelético. As queixas mais freqüentes em consultórios ocidentais incluem: lombalgia, artrite, cefaléia, asma, ansiedade, fadiga, desordens menstruais e digestivas. Assim como as indicações de tratamento, os objetivos terapêuticos da acupuntura são amplos: promover analgesia, recuperar funções motoras, normalizar funções orgânicas e ativar processos regenerativos. Pode-se, ainda, modular a imunidade, as funções endócrinas, autonômicas e mentais (CARNEIRO, 2002).
 Nas últimas décadas a acupuntura tornou-se cada vez mais popular nos países ocidentais sendo que entre os fatores que mais contribuíram foram o alívio da dor aguda e crônica.
 Para BRAZIL et al (2001), o uso da acupuntura contribui para a redução de dor e  também para o aumento de temperatura, ativando a liberação de serotonina, encefalina e endorfina. Gerando analgesia de início lento com resultados prolongados podendo ter efeito cumulativo.
  O National Institute of Health Norte-Americano, reconheceu a eficácia da acupuntura no tratamento de diversos estados clínicos, como dor, náuseas e entre outras patologias, e a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda a utilização da acupuntura em 80 afecções ou condições clínicas, incluindo dor. (BRAZIL et al, 2001).
 O grande desafio do combate à dor inicia-se na sua mensuração, pois a dor é subjetiva, variando individualmente em função de vivências culturais, emocionais e ambientais. Na avaliação da dor, não existem exames laboratoriais ou testes objetivos e depende do relato subjetivo do paciente que avalia somente a intensidade da dor e não outros aspectos, como mal estar gerado pela dor ou seu impacto na qualidade de vida (PAIVA et al,2006).
 Desta forma, ocorre uma grande dificuldade na avaliação da dor, desenvolvendo-se várias escalas tentando objetivar características subjetivas. Os instrumentos para mensurar a dor podem ser unidimensionais ou multidimensionais. Escalas unidimensionais avaliam somente uma das dimensões da experiência dolorosa, e dentre as mais usadas, destacam-se as Escala Visual Numérica (EVN), graduada de zero a dez, nas quais zero significa ausência de dor e dez, a pior dor imaginável e a Escala Visual Analógica (EVA), que consiste de uma linha reta, não numerada, indicando-se em uma extremidade a marcação de ausência de dor, e na outra, pior dor imaginável.     
  Portanto, o presente estudo tem como objetivo avaliar a eficácia de um tratamento de dor lombar no qual foi eleita a acupuntura como tratamento para esta afecção. Sendo feita a avaliação da dor lombar através da Escala Visual Numérica (EVN).
 
2. Objetivo do Estudo
 O objetivo deste estudo de caso é determinar a eficácia da acupuntura na dor lombar.

3. Descrição do Caso
 Paciente do sexo masculino, branco, 70 anos, diabético e hipertenso. Relata dor lombar acentuada há três semanas, após ter sofreu uma queda, com piora nos cinco dias após o ocorrido, deixando-o imóvel sem poder caminhar. A dor é do tipo constante e sem melhora ao repouso. Após atendimento médico de emergência, foi feito um raio-x e constatou-se artrose lombar. O exame físico evidencia contratura da musculatura paravertebral lombar, rigidez e impossibilidade de realizar flexão, extensão e rotação lombar, além de não conseguir realizar normalmente suas atividades de vida diária.
 Também queixa-se de dor nos joelhos, câimbras nas pernas, audição diminuída, zumbido nos ouvidos, secura nos olhos, urina levemente escura, constipação, sono agitado e acordando na noite com dor.
 Em 2001 teve um acidente vascular cerebral (AVC) isquêmico, no qual ficou com seqüelas de desequilíbrio e realizou uma cirurgia de próstata em 2002. Utiliza medicações para dor, anti-inflamatório, hidroclortiazida e captopril.
• Diagnóstico Energético: Deficiência Yin do Rim

4. Métodos
 O tratamento constituiu de 10 sessões de acupuntura, com duração de 30 minutos, e foi realizado no período de Maio de 2008 até Junho de 2008. Sendo que nas duas primeiras semanas foram feitos dois atendimentos semanais e nas semanas seguintes foi realizada somente uma sessão por semana.
 O paciente foi submetido a uma avaliação inicial com os dados de identificação, anamnese que continha a queixa principal, história da doença atual, história pregressa, história social, medicações, estado geral, sono e perfil emocional. Além destas, foi feita uma avaliação de controle da dor por meio de uma escala. Na escala visual numérica o paciente classificou sua dor em notas que variam de 0 a 10, de acordo com a intensidade da sensação. Nota zero corresponderia a ausência de dor, enquanto nota 10 a maior intensidade imaginável.
 Para o tratamento foram selecionados os pontos B23, B31, B32, B33, B60, BP6, R3, R6.
Classificação da dor:
 Zero (0) = Ausência de dor
 Um a Três (1 a 3) = Dor de fraca intensidade.
 Quatro a Seis (4 a 6) = Dor de intensidade moderada.
 Sete a Nove (7 a 9) = Dor de forte intensidade.
 Dez (10) = Dor de intensidade insuportável.
5. Discussão
 O propósito inicial do presente estudo foi demonstrar a eficácia do controle da dor na região lombar com tratamento pela acupuntura.
 Conforme MAGALHÃES (2007) a acupuntura pode promover a diminuição dos sintomas álgicos nos casos de dores crônicas, promovendo o retorno das atividades normais.  Para BRAZIL et al (2001), a acupuntura demonstra-se eficaz na diminuição da dor e ganho de amplitude de movimento.
 A dor na parte inferior das costas é intensamente influenciada pelos meridianos da bexiga e do rim, resultando em baixa quantidade de energia (Qi), sendo as principais causas da dor nas costas, a deficiência Rim, esforço excessivo e frio (SILVA et al,2005). Já MACIOCIA (1996ª) classifica a dor lombar como retenção da umidade e frio, estagnação de energia Qi e deficiência do Rim.
 Segundo MACIOCIA (1996ª), a dor severa do tipo facada sugere estagnação de Qi e sangue na região e a dor surda indica um quadro de deficiência. Se a dor melhorar com exercício moderado é sinal de estagnação local, se melhorar com repouso é sinal de uma Deficiência dos Rins. Ainda para MACIOCIA (1996b), se durante a palpação a musculatura lombar estiver tensa e rígida indica estagnação local de sangue e se a extensão da dor é grande indica Deficiência do Rim ou invasão de Frio e Umidade. Também deve ser levada em consideração a palpação dos pontos mais sensíveis identificando assim os meridianos envolvidos e os pontos Ashi. MACIOCIA (1996a), diz que a deficiência do Rim (Shen) pode causar deficiência da essência levando assim a dor lombar e dor nos ossos. Esta deficiência também pode causar dor nos joelhos, zumbido, surdez, vertigem, urina escassa e escura, sudorese noturna. A grande parte dos sinais e sintomas associados com o envelhecimento decorre da deficiência da Essência (Jing) do Rim (Shen). Para este autor o tratamento deve basear-se na tonificação do Rim, utilizando R3, Ren4, R10, R9, BP6, Ren1.
 A deficiência do Rim caracteriza-se com sintomas como vertigem, obscurecimento da visão, zumbido no ouvido, falta de memória, dor região lombar e articulações do joelho, sudação noturna, urina quente e amarelo-escura, constipação e sinais como língua vermelha, pulso rápido e fraco. Os pontos sugeridos são Du4, B52, R3, B23. (FUNDAMENTOS ESSENCIAIS, 1995).
 Neste estudo de caso, encontraram-se sintomas e sinais citados pela literatura como dor lombar, dor nos joelhos, urina escura, olhos secos, zumbido e surdez, com diagnóstico de Deficiência do Yin do Rim. Para este estudo de caso foram selecionados os pontos B60, BP6, R3, R6, B23, B31, B32, B33 de acordo com sua função energética.
 Os pontos foram usados com método de tonificação. Para YAMAMURA (2001), os pontos distais são localizados sobre os braços, abaixo dos cotovelos, e sobre as pernas abaixo dos joelhos. E tem como principal função o reequilíbrio energético. Os pontos utilizados neste caso foram:
•  B60 (Kunlun): situa-se a meia distância entre o maléolo lateral e o tendão do calcâneo. Tem como função fortalecer os rins, relaxar tendões e músculos, remover obstruções dos canais de energia, dispersar o vento e o calor, harmonizar e fortalecer o Xue (sangue).
•  BP6 (Sanyinjiao): situa-se a três tsuns acima do maléolo medial. Sua função é fortalecer o baço, resolver a umidade, tonificar o Rim, interromper a dor, mover o sangue e eliminar a estase.
•  R3 (Taixi): localiza-se na depressão entre o maléolo medial e o tendão do calcâneo. Tonifica o Rim, beneficia a essência, fortalece a lombar e os joelhos.
•  R6 (Zhaohai): situa-se em uma reentrância óssea localizada a um tsun distal à margem inferior do maléolo medial. Este ponto nutre o Yin do Rim e beneficia os olhos.
YAMAMURA (2001) explica que os pontos locais encontram-se localizados sobre a cabeça e o tronco. E tem como função principal a analgesia do local.
• B23 (Shenshu): localiza-se ½ tsun lateral á borda inferior do processo espinhoso da segunda vértebra lombar. Função: tonifica o Rim, fortalece a parte inferior das costas, beneficia os ossos e medula, beneficia os ouvidos, fraqueza dos joelhos.
• B31 ( Shangliao): situa-se no primeiro forame sacral posterior. Função: tonifica a região lombar e os joelhos, nutre o Rim, afasta a umidade-calor.
• B32 (Ciliao): situa-se no segundo forame sacral posterior. Possui a função de fortalecer a região lombossacra e afastar a umidade-calor.
• B33 (Zhongliao): situa-se no terceiro forame sacral posterior. Função: fortalece a região lombossacra, afasta a umidade-calor.

6. Resultados
  Após o tratamento proposto pelo estudo pôde se observar uma redução significativa do quadro álgico do paciente.
• Primeira Sessão: Paciente com muita dor lombar, que aumenta com movimentos e melhora com repouso. Na Escala Visual Numérica o paciente numerou sua dor como 10 (dez) que significa a pior dor que ele já sentiu. Nesta sessão fazia uso de antiinflamatórios e analgésicos.
Pontos utilizados: B23, B31, B32, B33, B60, BP6, R3, R6
• Segunda Sessão: Paciente relatou melhora da dor lombar, porém ainda possuía limitações de movimento. Ainda em uso de antiinflamatórios e analgésicos. Na Escala Visual Numérica o paciente numerou sua dor como 8 (oito).
Pontos utilizados: B23, B31, B32, B33, B60, BP6, R3, R6
• Terceira Sessão: Paciente relatou melhora da dor e também melhora dos movimentos.
• Nesta sessão paciente já não fazia mais uso de antiinflamatórios. Na EVN o paciente numerou sua dor com nota 7 (sete).
Pontos utilizados: B23, B31, B32, B33, B60, R3, R6
• Quarta Sessão: Paciente relatou que permaneceu com a mesma dor do final da última sessão. Na EVN o paciente numerou sua dor como 7 (sete).
Pontos utilizados: B23, B31, B32, B33, B60, R3, R6
• Quinta Sessão: Paciente relatou melhora da dor, sem mudanças no que se refere à restrição de movimentos. Na EVN paciente avaliou sua dor com nota 5 (cinco). Paciente sem uso de medicamentos.
Pontos utilizados: B23, B31, B32, B33, B60, R3, R6
• Sexta Sessão: Paciente apresenta uma grande melhora da dor e também nos movimentos.
Na EVN foi dada nota 3 (três).
Pontos utilizados: B23, B60, R3, R6
• Sétima Sessão: Paciente permanece com pouca dor e melhora dos movimentos. Na EVN o paciente avaliou sua dor com nota 3 (três).
Pontos utilizados: B23, B60, R3, R6
• Oitava Sessão: Paciente sem dor e com movimentos normais.
             EVN com nota 0 (zero).
Pontos utilizados: B23, B60, R3, R6
• Nona Sessão: Paciente sem dor, sem restrição de movimentos.
            Na EVN a nota foi de 0 (zero).
Pontos utilizados: B23, B60, R3, R6
• Décima Sessão: Paciente totalmente reabilitado, sem dor e sem restrições de movimentos. EVN 0 (zero).
Pontos utilizados: B23, B60, R3, R6.

7. Conclusões
 Em busca do tratamento da dor lombar, muitas vezes encontramos dificuldades na realização das condutas fisioterapêuticas adequadas; devido à presença do quadro álgico intenso e neste caso a acupuntura foi utilizada como um recurso da fisioterapia por apresentar mecanismos que favorecem a redução do ciclo espasmo-dor, tais como estimulação analgésica e relaxamento muscular. Além disso, a acupuntura apresenta efeitos específicos em relação à musculatura esquelética através da estimulação de fusos musculares e tendíneos por propriorreceptores, resultando numa adequação do tônus muscular.
 Neste estudo de caso observou-se uma redução acentuada da queixa principal do paciente de dor na região lombar e uma melhora total na restrição dos movimentos. Assim a acupuntura mostrou-se eficiente com resultados satisfatórios, melhorando inclusive a qualidade de vida, segundo relatos do próprio paciente.
 Foi verificado que, mesmo com a diferença dos pontos e do número dos mesmos em relação a outras pesquisas, a eficácia do resultado neste estudo de caso foi mantida. Através da análise de outros estudos, a lombalgia deste caso possui características muito semelhantes, tanto no diagnóstico, critérios de tratamento como na escolha dos pontos.
 Portanto, neste estudo de caso concluiu-se que a acupuntura constitui-se em recurso seguro, de resultados rápidos e satisfatórios no alívio da dor e de suas prováveis repercussões. Neste tratamento o objetivo principal foi o alívio imediato dos sintomas presentes, no entanto, sabe-se que resultados mais duráveis e eficazes poderão ser obtidos através do tratamento dos distúrbios energéticos.

Referências Bibliográficas

1. BRAZIL, V; XIMENES, A.C; RADU, A.S; FERNADES, A.R; APPEL, C; MAÇANEIRO, H; RIBEIRO, C.H; ET AL. Diagnóstico e Tratamento das Lombalgias e Lombociatalgias. Projeto Diretrizes. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina, 2001.

2. CARNEIRO, M. Acupuntura na Prevenção e Tratamento de Náusea e Vômitos. Projeto Diretrizes. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina, 2002.

3. ESCOLA MED. TRADICIONAL CHINESA DE BEIJING. Fundamentos essenciais da acupuntura chinesa. Tradução Sônia M.1ªed. São Paulo: Ícone, 1995.


4. LORENZETTI, B; FREGONESI, F. T; MASSELLI, C; M. R. Eficácia da acupuntura no tratamento da lombalgia. Arq. Ciênc. Saúde Unipar, Umuarama, v. 10, n. 3, p. 191-196, set./dez. 2006.

5. MACIOCIA, G. Os fundamentos da medicina chinesa: um texto abrangente para acupunturistas e fisioterapeutas. 1ª ed. São Paulo: Roca, 1996 a.

6. MACIOCIA, G. A prática da Medicina Chinesa. Tradução Tânia Camargo Leite. São Paulo: Editora Roca, 1996b.

7. MAGALHÃES, F; ROCHA, T. O Papel da Acupuntura no tratamento Fibromialgia: Uma Revisão. INMES – Instituto Norte Mineiro de Estudos Sistêmicos/UNISAÚDE. Minas Gerais, 2007.

8. PAIVA, E; COGINOTTI, V; MULLER, C; PARCHEN, C; URBANESKI, F. Manejo da dor. Revista Brasileira de Reumatologia, Paraná, v. 46, n.4, p. 292-296, jul/ago, 2006.

9. SILVA, A. G; BANDEIRA, F. L; ROSSAFA, P; BERALDO, C. Tratamento fisioterapêutico por meio da acupuntura nas lombalgias. Treatment Fisioteraphyc of the lumbar pain the acupuncture. Rubs, Curitiba, v.1, n.2, p.1-50, abril/jun. 2005

10. SILVA, M.C; FASSA, A.G; VALLE, N.C. Dor lombar crônica em uma população adulta do Sul do Brasil: prevalência e fatores associados. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, vol. 20, n. 2, p. 377-385, mar- abr, 2004.

11. YAMAMURA, Y. Acupuntura tradicional: A arte de inserir. 2a ed. São Paulo: Editora Roca, 2001.